Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > UFSB Ciência > Seminário de Biogeografia em aldeia indígena integra pesquisa sobre Arquitetura Vernacular no Sul da Bahia
Início do conteúdo da página

Seminário de Biogeografia em aldeia indígena integra pesquisa sobre Arquitetura Vernacular no Sul da Bahia

Escrito por Heleno Rocha Nazário | Publicado: Quinta, 09 de Abril de 2020, 16h05 | Última atualização em Segunda, 13 de Abril de 2020, 15h18 | Acessos: 1071

seminario biogeografia 02A equipe liderada pela professora Sílvia Kimo Costa, responsável pela pesquisa “Arquitetura Vernacular habitacional como expressão ambiental e cultural no litoral Sul da Bahia”, realizou uma ação de educação ambiental junto à comunidade indígena participante. Intitulada “Arquitetura Vernacular Tupinambá: do solo à Bioconstrução - Uma ação de Educação Ambiental na aldeia indígena Itapoã Tupinambá de Olivença, Ilhéus, Bahia", a atividade compreendeu encontros com aulas expositivas ofertadas a estudantes de turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) sobre solos e um evento de compartilhamento do aprendizado em sala de aula para toda a comunidade da aldeia. O evento ocorreu em novembro de 2019 e a experiência deve ser tema de um artigo, conta a professora Sílvia.  

O tema do projeto é a Arquitetura Vernacular, que é "aquela cujo processo construtivo de edificações envolve a extração e utilização de materiais oriundos dos recursos naturais locais, assim como estratégias arquitetônicas bioclimáticas intuitivas. A construção ocorre de maneira coletiva e o conhecimento 'do construir vernaculamente' é passado de pai/ mãe para filha/ filho através das gerações", como explicou a professora Sílvia em uma notícia sobre a arquitetura vernacular praieira. Nesse sentido, pode-se falar de arquiteturas vernaculares como geografica e culturalmente localizadas, constituindo tradições ligadas a comunidades espacialmente delimitadas, e que usam os recursos materiais disponíveis no local e técnicas específicas para as construções.

A líder da pesquisa, professora Sílvia Kimo Costa, apresenta essa etapa do projeto.  

 


De que trata a pesquisa?

seminario biogeografia maquete 02A pesquisa trata da ação de Educação Ambiental intitulada Arquitetura Vernacular Tupinambá: do solo à Bioconstrução, vinculada à pesquisa-ação Arquitetura Vernacular habitacional como expressão ambiental e cultural no litoral Sul da Bahia que vem sendo desenvolvida desde 2016. As atividades da ação pautaram-se no Protocolo de aprovação CONEP 2.552.460/ 2018.

A ação de Educação Ambiental ocorreu durante o segundo semestre letivo de 2019 e objetivou compartilhar com as/os discentes das turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), da aldeia indígena Itapoã Tupinambá de Olivença, o conhecimento referente ao tema “solo”. A ação foi idealizada no Componente Curricular Geografia.A idealizadora da ação foi a professora Vanessa Rodrigues, mulher indígena, bacharel em Geografia e discente do Mestrado em Ensino e Relações Étnico - raciais (PPGER/ UFSB), além de integrante da equipe de pesquisa envolvida no projeto.

A metodologia compreendeu a discussão do tema solo a partir do relato de cada discente no processo de construção em mutirão das habitações; aulas expositivas abordando a literatura técnico-científica sobre o assunto e um “Seminário de Biogeografia” que objetivou compartilhar as atividades desenvolvidas em sala de aula com toda Comunidade.

Qual a contribuição dos resultados obtidos da ação para o avanço da Pesquisa?

A ação surgiu da constatação de que o conhecimento sobre o “solo” vem sendo adquirido intuitivamente pelas/os discentes quando participam do processo de construção das habitações em Pau-a-Pique na aldeia.


A construção em Pau-a-Pique na aldeia Itapoã Tupinambá de Olivença é imprescindível para a manutenção do processo cultural e ambiental de construção em mutirão. Além disso, a técnica bioconstrutiva é uma referência de construção vernacular sustentável do ponto de vista sócio-econômico-ambiental e cultural, pois apresenta baixo consumo de energia associado; é constituído por materiais naturais e recicláveis; apresenta conforto térmico decorrente da baixa condutividade térmica e provoca baixo impacto ambiental no ecossistema local.

 

Como foi feita a ação?

seminario biogeografia 01A ação compreendeu duas etapas:
1ª Etapa: “O que aprendemos na aldeia”
Essa etapa compreendeu a discussão do tema solo e seu uso na construção das habitações da aldeia a partir do relato de cada discente.

2ª etapa: “O que a literatura técnico-científica tem a nos ensinar”
Essa etapa compreendeu aulas expositivas e discussão com base na literatura técnico – científica sobre o tema solo e sobre o processo bioconstrutivo do Pau-a-Pique.
Após as atividades desenvolvidas em sala de aula, a turma de discentes (EJA) foi dividida em dois grupos e cada grupo confeccionou uma maquete de habitação construída em Pau-a-Pique utilizando os materiais naturais disponíveis no local.

Por conseguinte, as atividades foram apresentadas a toda comunidade por meio do “Seminário de Biogeografia” nos dias 18 e 19 de novembro de 2019. No dia 18 foram apresentados os conteúdos discutidos com as/os discentes durante as aulas. No dia 19 foram apresentados os resultados das oficinas de Bioconstrução, que ocorreram na aldeia entre os meses de agosto e novembro de 2019.
O seminário contou ainda com a participação de profissionais das áreas de Arquitetura e Engenharia Civil (que trabalham com Bioconstrução), para compartilhar procedimentos que aprimoram a técnica bioconstrutiva do Pau-a-Pique, com enfoque na melhoria da resistência da argamassa de “barro”.

 

Qual a importância da ação?

A Educação Ambiental não se restringe ao ambiente escolar, envolve práticas socioeducativas não formais praticadas pela comunidade local. Trata-se da EA popular. Quando o contexto envolve comunidades tradicionais, a EA possibilita uma relação mais estreita entre o processo educativo e a realidade vivida, estruturando atividades pedagógicas baseadas em problemas reais e imediatos.

 

O que os resultados informam?

seminario biogeografia 04Cerca de 30 pessoas, incluindo a docente do componente curricular Geografia, lideranças, além das/os discentes e crianças participaram da ação de Educação Ambiental. Durante os dois dias a professora, as/os discentes e profissionais convidados das áreas de Arquitetura e Engenharia Civil compartilharam conhecimento e aprenderam com a comunidade.
A ação foi considerada positiva pelas/os discentes e pela comunidade no que tange ao aprendizado do tema e foi sinalizada como estratégia educacional a ser empregada em outros componentes curriculares.

 

 

 

 

 

Equipe da Pesquisa “Arquitetura Vernacular habitacional como expressão ambiental e cultural no litoral Sul da Bahia” e responsáveis pela ação de Educação Ambiental:

Vanessa Rodrigues dos Santos. Pós-graduanda em Ensino e Relações Étnico-raciais PPGER/ UFSB. Bacharel em Geografia.

Leandro Ricardo dos Santos Souza. Pós-graduando em Engenharia Ambiental Urbana PPGEAU/ UFSB Engenheiro Civil

Marilindi Venturim. Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo FMT, Ilhéus, BA. Participante voluntária.

Dra. Silvia Kimo Costa. Profa. Adjunto do Centro de Formação em Políticas Públicas e Tecnologias Sociais/ UFSB. Coordenadora da Pesquisa; Dra. Desenvolvimento e Meio Ambiente e Arquiteta e Urbanista.

Os resultados da ação serão publicados em artigo submetido à Revista REMEA (ISSN: 1517-1256).

 

Notícias relacionadas

Projeto de pesquisa investiga a arquitetura vernacular praieira de Olivença (05/08/2019)

Pesquisa avaliou a sustentabilidade de materiais alternativos para a construção de habitações populares (08/10/2019)

registrado em:
Fim do conteúdo da página