Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > UFSB inaugura incubadoras de base científica e tecnológica e de tecnologias sociais e o NIT
Início do conteúdo da página

UFSB inaugura incubadoras de base científica e tecnológica e de tecnologias sociais e o NIT

  • Escrito por Heleno Rocha Nazário
  • Publicado: Terça, 20 de Junho de 2023, 15h03
  • Última atualização em Terça, 20 de Junho de 2023, 16h11
  • Acessos: 2188

195A5256195A5263Dentro da programação institucional de celebração dos dez anos de criação da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), a instituição inaugurou novas estruturas voltadas para a conexão entre academia, o mundo dos negócios e a sociedade na última sexta-feira (16). A Incubadora Científica e Tecnológica (ICT), a Incubadora de Tecnologias Sociais e Economia Solidária do Sul e Extremo Sul da Bahia (ITESBA) e o Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) surgem para apoiar a criação e o desenvolvimento de empresas dentro dos respectivos focos. No momento, as estruturas estão alojadas no terceiro andar do prédio da Reitoria da UFSB, que fica em frente à praça José Bastos, no antigo fórum Ruy Barbosa.

A solenidade de inauguração ocorreu no terceiro andar da Reitoria, e contou com a reitora, professora Joana Angélica Guimarães da Luz; o vice-reitor, professor Francisco José Gomes Mesquita; o pró-reitor de Extensão e Cultura, professor Hamilton Richard Alexandrino Ferreira dos Santos; a pró-reitora de Pesquisa e Pós-graduação, professora Maria do Carmo Rebouças da Cruz Ferreira dos Santos; o diretor de Pós-Graduação, professor Francisco Antônio Nunes Neto; o diretor de Extensão e Cultura, professor Celso Francisco Gayoso; o diretor de Integridade e Transparência, Luiz Rogério Santos Guimarães; o coordenador de Criação e Inovação, professor Rodrigo Ferreira; a coordenadora de Gestão da Extensão, professora Jannaína Velasques da Costa Pinto; a gerente-executiva da ICT, administradora Aline Rocha Souza Santana; a assessora da ITESBA, Valerie Nicollier; o pesquisador e referência na área de Ciência, Tecnologia e Sociedade, professor Renato Peixoto Dagnino, que proferiu a conferência de encerramento do 3º Seminário em Rede da UFSB, bem como representantes do setor empresarial regional e dos poderes públicos municipal e estadual. 

Em seguida aos discursos, os participantes visitaram a sala onde estão temporariamente instaladas as incubadoras, também no terceiro andar da Reitoria. A ideia é que posteriormente cada estrutura tenha um espaço próprio. 

 

O que fazem as incubadoras?

 

A Incubadora Científica e Tecnológica foi estabelecida pela Resolução do Conselho Superior Universitário (CONSUNI) nº 21/2020, e está vinculada à Coordenação de Criação e Inovação da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG). De acordo com o regimento da ICT, o objetivo é ser um "mecanismo de geração e aceleração do amadurecimento de micro e pequenas empresas inovadoras de base científica e tecnológica na região de influência da Universidade, por meio do apoio gerencial, da infraestrutura e da transferência do conhecimento científico e tecnológico". Para tanto, a ICT vai oferecer suporte em diversos âmbitos, da infraestrutura ao apoio científico e tecnológico. A ideia é oferecer incentivos essenciais para empreendimentos que envolvam pesquisa e desenvolvimento, de modo a apoiar a diversificação produtiva da região e o contato entre os campos da pesquisa e das empresas. Para contatar a ICT, o canal de contato

Com foco na partilha de conhecimentos da universidade com a população do território e no atendimento de demandas da sociedade regional, em especial as comunidades mais vulneráveis, a ITESBA está regulamentada pela Resolução CONSUNI nº 34/2020, e é vinculada à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UFSB. Segundo o regimento da ITESBA, a sua finalidade é "assessorar a criação e desenvolvimento de empreendimentos com impacto social, auxiliando na oferta de respostas para problemas sociais, ambientais e econômicos dos grupos e comunidades em vulnerabilidade social nos Territórios Sul e Extremo Sul da Bahia". O conceito de tecnologia social incorpora "a geração de produtos, técnicas e/ou metodologias de efetivas soluções para o desenvolvimento local de forma participativa, em conjunto com a comunidade. A tecnologia social tem como escopo a união dos conhecimentos técnico-científicos e saberes sociais, de forma a provocar significativo impacto positivo em comunidades em vulnerabilidade social".

 

Conferência abordou a necessidade de repensar pesquisa, universidade e relação com empresas

 

195A5288O professor e pesquisador Renato Dagnino (UNICAMP), convidado para proferir a conferência de encerramento do 3º SER UFSB, com o título "A Universidade que o Brasil precisa", iniciou com uma recuperação histórica sobre a relação entre os saberes profissionais, a forma de sua acumulação e transmissão e as fases econômicas e políticas da humanidade. Passando pelo feudalismo, o início do capitalismo, a revolução industrial, a experiência soviética e os avanços trazidos pela mecanização, informatização, automação e a recente inteligência artificial, Dagnino apresentou um panorama no qual se articulam as noções da tecnociência como conhecimento apropriado para um resultado, da ciência como uma forma de conhecimento que está longe de ser neutra e das contradições surgidas quando o saber passa do fazer integral do artesão para o procedimento em linha de montagem do operário na fábrica.

Do panorama mundial, Dagnino passou a explanar sobre como a realidade brasileira se insere nesse processo, chegando a avaliar como a universidade brasileira se originou, para que fins ela se organizou e a quais valores ela tende a servir. A esse ponto o palestrante conectou a demanda emergente por arranjos econômicos e produtivos mais solidários, capazes de enfrentar as contradições atuais do mercado de trabalho e os desafios impostos pelas mudanças sociais e tecnológicas. Para ele, a universidade precisa fazer parte do esforço por uma tecnociência atenta e devotada a entender e a resolver necessidades materiais da sociedade, incluindo aí as camadas mais vulneráveis, codificando essas necessidades em demandas cognitivas a serem atendidas. Após a conferência, o professor dialogou com o público presente, respondendo as perguntas feitas ao microfone e pelo chat do canal do Auditório Virtual da UFSB no Youtube.

Para assistir à conferência de Renato Dagnino, confira este link do Auditório Virtual da UFSB.

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página